Nos últimos anos, a visibilidade LGBT vem aumentando gradativamente. Conversar sobre sexualidade aos poucos está deixando de ser um tabu, principalmente na cultura pop. É de grande importância abordar esse tema não apenas na música, mas em todos os tipos de mídia, pois essa representatividade ajuda a trazer visibilidade para a comunidade LGBT.

Pensando nisso, separei cinco videoclipes voltados para a temática LGBT de cantores reconhecidos pela grande mídia e também independentes:

1Girls like Girls – Hayley Kiyoko

Talvez um dos mais conhecidos por abordar um romance lésbico de forma bem desenvolvida e natural. A música de Hayley Kiyoko lançada em 2015 já ultrapassa a marca das sessenta milhões de visualizações.

O clipe apesar de singelo, possui um roteiro linear com início meio e fim, e conta a história de duas amigas que se apaixonam, porém uma delas já possui namorado. É singular a forma como as duas amigas se apaixonam, a partir de cada sorriso, cada gesto e encontro. Cada ato é mais um passo para chegar ao romance que sempre esteve presente entre as duas. O vídeo apresenta duas garotas na faixa dos 15 anos, Sonya (Kelsey Chow) e Coley (Stefanie Coley) que apesar de se negarem a acreditar no começo, constroem um romance ao longo do tempo, precisando se unir para superar as barreiras que impedem esse amor de acontecer.

O que torna o clipe ainda mais único e importante, é o fato de apresentar duas personagens ainda na puberdade, fase em que a maioria das pessoas LGBT começa a descobrir e explorar sua sexualidade, uma fase que costuma trazer muito sofrimento para essas pessoas, principalmente pela falta de aceitação e apoio da família. “Garotas gostam de garotas como gostam de garotos, nada de novo”. Hayley também faz questão de exaltar a naturalidade do romance homossexual na letra de sua música, mostrando que a construção de um relacionamento lésbico/bissexual é tão natural quanto qualquer outro.

22 – Holy – Zolita

Sendo mais ficcional, Holy aborda temáticas feministas e a imposição de padrões estéticos, além do patriarcado que nos rodeia desde jovens.

Em uma escola distópica para garotas, elas são ensinadas a serem boas mães e boas esposas, ao mesmo tempo que precisam manter um padrão de beleza para agradar seus futuros maridos. Determinada a escapar dessa opressão, um grupo de garotas cria um culto voltado para a adoração do amor entre mulheres.

Zoë Hoetzel, cantora de 21 anos com descendência dinamarquesa e alemã, estudou fotografia quando jovem e agora estuda cinema na Universidade de Nova York, mais conhecida como Zolita, ela vem ganhando os holofotes no pop alternativo.

O clipe Holy já possui mais de três milhões de visualizações no Youtube, e apesar de ter sido produzido com um orçamento não muito grande, possui uma ótima fotografia e direção. A trama apesar de se passar em um mundo ficcional, representa de forma clara a opressão que mulheres lésbicas sofrem na sociedade em que vivemos.

Ativista em prol dos direitos LGBT e da Mulher, a cantora não expressa isso apenas em suas músicas, mas também em seu canal, onde faz questão de deixar claro seu posicionamento ideológico o político.

3Macklemore & Ryan Lewis feat. Mary Lambert  – Same Love

Quebrando os paradigmas de rap ser música de “macho”, Macklemore traz uma música retratando a realidade que muitos gays vivem na juventude. Apesar de ser hétero, o rapper contou que chegou a achar que era gay na juventude, por ser extremamente organizado e gostar de desenhar. Depois de uma conversa com sua mãe, ela o fez enxergar além dos rótulos, ajudando-o a se entender melhor, situação que é demonstrada no clipe.

A música sofreu diversos ataques homofóbicos por parte de outros rappers com T-Pain e Snoop Dogg, que afirmaram que o rap não tem espaço para “músicas gays”. Apesar disso, o clipe ainda é um marco nesse gênero musical, pois tráz o vocal de Mary Lambert, além de ser usada como tema do filme Casamento de Verdade, que conta a história de uma mulher que decide contar a verdade sobre seu relacionamento amoroso com uma mulher que julgavam ser apenas sua amiga.

O clipe mostra a construção de uma pessoa homossexual desde o momento em que nasce, seus momentos de dúvida, a fase de aceitação e a revelação para a família. Assim como Girls like Girls, o clipe também mostra a construção de um relacionamento de forma natural, além de exemplificar o preconceito que precisam enfrentar no dia a dia, e principalmente que um relacionamento homossexual é tão duradouro e forte quanto qualquer outro.

4Troye Sivan – Blue Neighbourhood Part 1/3

Dividido em três partes: ‘Wild’, ‘Fools’ e ‘Talk Me Down’, a trilogia de clipes conta a história de um romance entre dois garotos que começa a aflorar ainda na infância. Ao longo da trama, o casal precisa lidar com obstáculos que os impedem de ficar juntos. Principalmente a questão familiar.

Abordar a temática de um romance construído desde a juventude, ajuda a quebrar a ideia de que a homossexualidade é uma escolha. O clipe também aborda a forma agressiva como muitos pais lidam com a homossexualidade dos filhos, que muitas vezes obriga a pessoa a renunciar quem ela é por anos. O vídeo também demonstra os impactos que essa pressão psicológica pode causar em um jovem.

5Problemas – Ana Carolina

Claro que não poderíamos deixar as brasileiras de fora dessa lista. Lançado em 2011, o clipe problemas traz um romance lésbico um pouco mais adulto, retratando um casal de mulheres que passa por alguns problemas no decorrer de seu relacionamento.

É importantíssimo uma cantora brasileira e bissexual apresentar esse tipo de temática, principalmente devido ao Brasil ainda ser um país extremamente misógino e homofóbico. Devido ao conservadorismo exacerbado que está impregnado na sociedade, grande parte das vezes a comunidade LGBT é apagada. Devido à isso, artistas que trabalham esse assunto costumam ser ignorados pela grande mídia.

O clipe já acumula mais de sete milhões de visualizações no Youtube.

Compartilhe com seus amigos: