Os últimos acontecimentos envolvendo o Capitão América tem causado muitos debates entre os leitores, e até confusão sobre o que ele de fato representa no universo Marvel. O novo Arco Marvel, Império Secreto, é o crossover da Marvel envolvendo o Capitão América e Hidra, que começou a ser publicada em abril, com Secret Empire #0.

A história, que será distribuída a partir de 6 de maio, durante o Free Comic Book Day, continuará uma minissérie de nove partes e outras diversas edições especiais. Steve McNiven, Andrea Sorrentino, Leinil Yu e Daniel Acuña são os responsáveis pelas artes das próximas edições, que desenvolverão mais capítulos da fase ainda confusa do Capitão América.

A história do Império Secreto, apesar de ganhar nome recentemente, é antiga. A organização terrorista mundial inclusive sempre possuiu muitas células aliadas. São diversas organizações coligadas a Hidra, como a I.M.A. que foi uma das primeiras células da organização secreta. Para controlar todas as células, o ‘Barão Wolfgang Von Strucker’ criou um comitê chamado T.H.E.M., que tinha a função de supervisionar a I.M.A. e o Império Secreto.

Wolfgang Von Strucker à direita

O Comitê existiu por um período curto, com algumas histórias divulgadas pela revista Tales of Suspense. Mas devido a divergências de roteiros, acabou sendo tudo alterado.

Stan Lee e Jack Kirby criaram o Império Secreto, como um grupo subversivo, composto por membros encapuzados, de vestes vermelhas, que se referiam uns aos outros usando apenas números.

O ‘Número Um’, tido como líder, era quem mantinha maior contato com a Hidra. E apesar de subordinados da organização, o Império Secreto tentou sempre se desvencilhar de suas “más influências”. Porém, o financiamento da Hidra era muito importante para o Império, que constantemente desvencilhava os objetivos da S.H.I.E.L.D.

Os quadrinhos com tais histórias do ‘Império Secreto’, foram um reflexo direto das situações políticas vividas em torno da década de 60. Um período repleto de conspirações e intrigas nos EUA. Inclusive reforçando a “teoria da cebola”, onde sempre existe uma camada dentro de outra camada.

Em suas histórias, o Império secreto já enfrentou Namor, Hulk, Capitão América e até grupos como os Defensores e os X-Men. Sendo que desses confrontos, alguns foram de tentativas falhas de aplicar um golpe de estado.

E após tantas tentativas, a organização conseguiu sua independência, após “matar” o Barão Stucker. A partir deste ponto, seus planos foram focados no controle do país, influenciando nas políticas de estado.

Alguns confrontos foram travados em busca de tais objetivos, sendo que em um desses o Capitão América descobre que o tal “Número Um”, é um membro do governo dos EUA. Após o “choque” ele entra num conflito pessoal e decide abandonar o uniforme de “Sentinela da Liberdade”, assumindo a identidade de “Nômade”.

Politicamente, essa história remete aos escândalos internos da política dos EUA, sendo que esta em específico foi inspirada no famoso escândalo de Watergate, e no governo de Nixon.

Além da influência da Hidra, empresas como Roxxon e a Corporação Brand, tem poder de “financiar” atos criminosos, realizados por vilões como Bumerangue, Rei do Crime, Víbora, Dr. Faustus, dentre outros.

Apesar de secreta, como menciona o nome, a organização tem em sua liderança o Barão Von Strucker, Caveira Vermelha, Madame Hidra e Professor Poder.

Nos últimos anos, a organização apareceu algumas vezes atuando contra o heroi de Hell’s Kitchen, Demolidor. Mas ela também atacou diversas vezes o Capitão América e os Vingadores secretos.

De fato, o Capitão América entrou na grande porcentagem das teorias conspiratórias, muito presente nos fatos dos EUA. Tudo isso levando em conta os acontecimentos políticos ao decorrer das décadas.

Na saga ‘Império Secreto’, Steve Rogers continua inserido numa temática onde o ‘Capitão América’ é um membro secreto da Hidra. Mas a Marvel prometeu muita história e contexto a ser apresentado, podendo gerar ainda algumas reviravoltas cruciais.

Compartilhe com seus amigos:
Publicidade
Escritor, ator, jornalista. Sagaz e constantemente zueiro. Rei das referências e amante eterno daquele nome que mora no fundo do poço. Manja de NFL.