Parece até mentira, mas eis que o filme da Liga da Justiça está entre nós! Quem diria que seria tão difícil conseguir fazer um longa da maior equipe de super heróis da DC comics? Nomes como George Miller (Mad Max), Christopher Nolan e até Ben Affleck passaram perto da cadeira de diretor anos atrás, mas mesmo depois que Zack Snyder foi definido como o responsável por moldar o Universo Cinematográfico da DC, parece que os problemas e a dificuldade de vermos a Liga só aumentou!

Além da recepção polarizada de Batman Vs Superman, toda a produção de Liga da Justiça foi conturbada. A mudança e aliviada de tom, a incerteza de Ben Affleck nos futuros filmes, a saída de Zack Snyder devido à uma tragédia familiar, a entrada de Joss Whedon, refilmagens, a polêmica do bigode do Henry Cavill, o sucesso de Mulher Maravilha e o corte final do filme fechar em 121 minutos! É uma incógnita ainda o que veremos no cinema, mas se o resultado de Liga da Justiça for positivo, ainda mais rodeado por toda essa conturbada produção, merece se tornar memorável desde já!

Contudo independente do erro e acerto de Liga da Justiça, há uma razão para o filme ser o que ele é. O resultado do longa é moldado nas consequências de filmes antecessores à esse e muito do novo espírito que eles parecem ter buscado, também vem de produções consagradas. Sendo assim, vamos citar cinco filmes de super heróis que foram essenciais em toda essa novela que hoje chega ao fim:

1 – Superman – O Filme (1978)

Um dos filmes de super heróis mais importantes de todos os tempos! Richard Donner captou muito bem a essência do Superman. Seu altruísmo, empatia pelos seres humanos, otimismo, inspiração e tudo personificado de maneira brilhante pelo eterno Christopher Reeve, que entendeu bem a magia entre Superman e Clark Kent e como não é apenas um par de óculos que faz a diferença! A HQ do Superman do Rebirth quer captar novamente os valores clássicos do personagem e que estão entranhados nesse filme de 78 e depois de duas tentativas falhas de desconstruir o herói no cinema, os fãs e a sociedade atual precisa do retorno do Superman clássico e dos fortes ideais que ele representa.

2 – Batman: O Cavaleiro das Trevas (2008)

Por mais que toda a trilogia de Christopher Nolan deveria ser considerada aqui, foi o filme do meio o responsável por dar um tom não só aos futuros filmes de super heróis, mas para os blockbusters em geral. Até hoje vemos produções influenciadas no realismo e em um tom mais sombrio e infelizmente também foi o caminho base para o início do Universo Cinematográfico da DC. A Warner viu o sucesso que havia conquistado com a Trilogia O Cavaleiro das Trevas e acreditou que esse caminho poderia ser trilhado pelo fantástico universo da DC comics, então muito dos problemas que se agravaram no ano passado e que levaram agora a essa mudança radical de tom, é devido à essa decisão equivocada lá atrás. A DC/Warner olhou tarde para concorrência e não enxergou necessariamente os pontos certos!

3 – Os Vingadores: The Avengers (2012)

No mesmo ano em que Batman: O Cavaleiro das Trevas estreou, a Marvel deu o seu primeiro passo na sua ambiciosa conquista do gênero de super herói com Homem de Ferro. Mesmo não tendo feito o mesmo sucesso estrondoso que o filme do Homem-Morcego, a Marvel deu passos pequenos e precisos, testando o terreno para dar o seu grande salto em Os Vingadores. Uma ideia arriscada, que poderia ter dado muito errado, mas também dado muito certo. E deu! Os Vingadores foi a maior bilheteria de 2012, e hoje permanece como a quinta maior bilheteria de todos os tempos. Sem contar que até antes dos anos 2000, Vingadores era uma equipe meio B da Marvel. Homem-Aranha, X-Men, Quarteto Fantástico sempre foram maiores na “Casa das Ideias” e hoje “Os Maiores Heróis da Terra”, também são Os Maiores Heróis do Cinema. Imagina o que a DC não poderia fazer de dinheiro com Superman, Batman, Mulher Maravilha, Flash, Lanterna Verde etc?

Joss Whedon (que foi responsável por finalizar Liga da Justiça) deu todo o tom e espírito aos filmes da Marvel que vieram depois, mas nenhum foi como esse! Sem se preocupar em desenvolver os personagens, por já terem sido estabelecidos, o filme tem uma preocupação única: a diversão e entretenimento puro que super heróis podem propagar para um público ilimitado. Diálogos precisos, carregados com humor e o fortalecimento da relação de personagens; cenas de ação que enchem a tela e os olhos do espectador; é como dar vida à um quadrinho dos Vingadores de Stan Lee e Jack Kirby e a inocência da época! Os Vingadores foi o filme que balançou as estruturas da Warner e fez eles acordarem para o mercado de super heróis e darem início ao seu próprio universo, mas o atraso já era visível e teve consequências.

4 – Batman Vs Superman: a Origem da Justiça (2016)

Foi uma fusão de acontecimentos! O encerramento da Trilogia O Cavaleiro das Trevas, o sucesso estrondoso de Os Vingadores e o lançamento de Homem de Aço. Havia chegado o momento da Warner se mover. Batman Vs Superman foi anunciado na San Diego Comic Con 2013, teve como sua maior inspiração O Cavaleiro das Trevas, a obra do Frank Miller, ficou três anos em produção e depois que a Marvel reestruturou o formato de filme de super heróis, não tornando mais o sombrio e realista uma tendência, o filme foi para os cinemas!

Uma coisa é inegável, o filme cumpre a sua proposta! Várias sequências, falas e situações são totalmente Frank Miller, principalmente no que se diz respeito ao Batman. Além disso, para um filme que tem que juntar Batman e Superman para brigar, uma ponta da Mulher Maravilha, inserir referências à outros personagens da DC, deixando tudo encaminhado para o filme da Liga da Justiça, seria muito óbvio seguirem pelo caminho convencional, clichê, e o filme toma o caminho contrário!

É admirável como o Zack Snyder toma liberdade para deixar sua assinatura no filme (a Warner não se deu ao trabalho de pôr alguém para comandar) e seguir por um caminho bem mais melancólico e pessimista, desconstruindo os dois maiores heróis de todos, nas suas fases mais sombrias, para que só no final eles encontrem a luz. Ainda mais ousado é no filme preparatório para a Liga da Justiça, ele decidir matar o Superman e dependendo de como isso se desenvolver no filme da Liga, pode ter sido uma das ideias mais erradas de todas, mas ainda assim ousada!

Contudo Batman Vs Superman é sem dúvidas, mercadologicamente um erro! Não é a toa o filme ser tão polarizado quando você tem a visão pessoal de um cineasta vindo de um imenso número de fãs que não compartilham dessa visão; um tom melancólico dentro de um cenário onde o público se acostumou com os filmes leves, divertidos e inofensivos da Marvel (esse ano o mercado já está mais diversificado); uma trama inspirada em uma HQ que por mais que hoje é referência e para muitos a maior história do Batman, há vários pontos ali que estão datados e mesmo assim o filme repassa adiante; e claro o grande problema de que mesmo sendo admirável o Snyder ter uma visão própria, ela não é livre de falhas e como contador de histórias ele é um cineasta problemático. Muitas vezes em prol da estética (seu maior talento), ele cria incoerências narrativas ou exageros que descaracterizam os personagens sem mesmo um grande propósito (o Batman matar).

 Batman Vs Superman arrecadou mundialmente mais de 800 milhões de dólares. O filme se pagou, mas quando olhamos para Os Vingadores com Homem de Ferro, Capitão América, Thor e Hulk fazendo 1 bilhão e a primeira vez que vemos Batman, Superman e Mulher Maravilha no cinema não chegou nesse mesmo patamar? Uma correção de rumo era necessária para a DC urgentemente, mas nesse desespero tivemos que ir até o fundo do poço com Esquadrão Suicida para que as luzes da esperança e otimismo brilhassem novamente!

5 – Mulher Maravilha (2017)

Mesmo na polarização de Batman Vs Superman, era unânime que a participação da Mulher Maravilha havia sido acertadíssima! Gal Gadot, que sofreu muitas críticas pelo seu físico quando foi escalada, agora era ovacionada pelos nerds e junto com a diretora Patty Jenkins, corrigiram o grave erro da maior super heroína de todos os tempos, em mais de 75 anos de história, não ter um filme. Como todos os filmes da DC, Mulher Maravilha também tinha uma responsabilidade e pressão muito grande: ser o primeiro filme da Amazona, o primeiro filme bom  protagonizado por uma super heroína e ainda colocar a DC nos trilhos. Acertaram em todos os aspectos!

Patty Jenkins disse ter se inspirado em Indiana Jones pelo clima de época e aventura, mas a sua maior inspiração e que é evidente em tela, foi em Superman – O Filme (olha ele aí de novo). Aquilo que tanto Geoff Johns queria resgatar para o Superman e para a editora de forma geral, o otimismo e heroísmo, pode ser encontrado em Mulher Maravilha. A forma como a personagem se importa com a humanidade que ela nem conhece e não deve nada à eles, como em determinado momento ela cansa da injustiça e toma a frente no campo de batalha e o mais importante, que não se vê em tela, mas na saída do cinema, que é ver meninas  (e meninos também) inspiradas pela super heroína que elas acabaram de ver em tela representando tudo de bom que há no mundo e ideia de crescer e ser uma pessoa que defende tais valores.

Mulher Maravilha é dos filmes do ano e tantos anos atrás, mais importante que temos. O caminho perfeito para a DC seguir adiante e dar certo e mais do que isso a figura perfeita do porque o super herói (heroína) é tão importante para as gerações que vêm e crescem querendo se espelhar nesses ícones!

Realmente, foi um longo caminho até chegar aqui! É difícil ter confiança total que Liga da Justiça deu certo tendo um histórico como esse, contudo esperemos que pelo menos eles tentaram e que os vestígios da mudanças estejam visíveis no filme e que para as futuras produções da DC, o rumo agora está definido e acertado, pois queremos ver filmes bons de todos os lados!

Especial Liga da Justiça – Da animação para o aguardado filme

Liga da Justiça estreia dia 15 de novembro!

 

 

Compartilhe com seus amigos:

Estudante de Publicidade e Propaganda. Cinéfilo, adora Séries, leitor ativo de Livros e Quadrinhos.